Capítulo 01 – Paulo – O Retrato de um perseguidor que se tornou perseguido

UM HOMEM INTELIGENTE

SÉRIE DE NATAL 2

Um homem que inspira hoje no século 21, milhares de grandes pensadores sobre religião e até sobre política à realmente se voltarem à história do crescimento da maior organização do mundo. Hoje vamos conhecer quem foi Saulo de Tarso, que depois se tornou Paulo, e como seus pensamentos e atitudes influenciou homens até a atualidade.

Um homem com cidadania romana, que logo quando era criança saiu da região da Cilicia, importante província do império romano, para ir morar com sua irmã em Jerusalém, na capital do intelecto teológico do mundo. Cidade onde iria estudar e conhecer tudo sobre o Deus de Abraão. A cidade de Jerusalém.

Um menino que foi circuncidado aos oito anos e era judeu da tribo de Benjamim. Destacou-se dentre os mestres e rabinos do sinédrio de Jerusalém se tornando um importante pensador e crítico. Quando esteve em Atenas, por exemplo, cidade de grandes pensadores como Sócrates, Aristóteles, Platão, Péricles e outros, ele discutiu com os filósofos históricos epicureus.

Para terem noção em uma carta a seu amigo Tito, ele cita Epimênides, um importante poeta Greco, conhecido como o homem do “Deus Desconhecido”, da Grécia antiga que acreditava em um Deus só, e que viveu uns 600 anos antes de Cristo. Realmente Saulo, era um homem de uma cultura invulgar.

No entanto, nesta mesma época crescia em Jerusalém um homem que Saulo não imaginaria que em anos posteriores sua história toda, se confundiria com a dele. Este outro rabino de Nazaré da Galileia, que trabalhava duro numa carpintaria, não era rico como Saulo que vinha de uma família em boas condições, no entanto com 12 anos ele também “ensinava” os mestres do templo sobre as leis de Moisés. Aos 30 anos ao ser batizado por João Batista, no Rio Jordão, uma voz dos céus que dizia: “Eis o Filho de Deus” tremeu o coração de todos que ali estavam. Então esse homem,  iniciou ali na região ocidental do planeta, um grande movimento que se tornou a maior religião do mundo: O Cristianismo. Multidões o seguiam por toda a Judéia.

O nome deste homem continuou vivo pelos mais de 20 séculos que se passaram e ainda pulsa no coração de milhares de homens por nações em todo o mundo. Jesus Cristo era o nome dele. Seus seguidores e discípulos declaram que ele é o Rei de Israel, o Filho de Deus, o Messias.

Milagres e prodígios começaram acontecer, em um só dia mais de cinco mil pessoas o seguiram e viram multiplicar cinco pães e dois peixinhos.  Os feitos de Jesus, começaram causar muito ciúmes aos líderes do Sinédrio de Jerusalém. Fariseus, mestres e até líderes políticos do império romano na época, viram seus milagres e começaram o perseguir, montar emboscadas, pagaram até falsas testemunhas e para conseguirem o prender.

Jesus foi torturado, humilhado, transpassado e até o povo de Israel já não acreditava mais nEle, soltaram um bárbaro chamado Barrabás a pedido do próprio povo de Jerusalém e no auge de seus 33 anos de idade, crucificaram Jesus Cristo para todos os que o vissem pregado na Cruz, entendessem que aquele homem era um blasfemador contra as leis do Deus de Abraão. O sepultaram, para alívio do Sinédrio e de Roma.

Mas na manhã do primeiro domingo, depois de sua morte, uma notícia explode e se alastra por toda Israel: O túmulo do rabino da galileia estava vazio e violado de dentro para fora. Jesus Cristo ressuscitou. Como estava escrito nas profecias, o Messias viria para salvar o homem, ele mesmo doou-se por todos os homens na terra, para regatá-los do pecado. O Deus que se fez carne, não pecou, e morreu torturado pelo próprio homem para que através deste sacrifício, pudesse resgatar todo ser humano das garras da malignidade e da morte eterna, por isso tomou sobre si os pecados do homem desceu ao Sheol Hades, tomou de lá as chaves das mãos do rei daquele lugar e voltou para Terra encontrar os seus discípulos, dizendo para proclamarem sua história por todo mundo e instituírem a sua igreja na terra, afim que de que todo aquele que nEle, crer não pereça, mais tenha acesso à vida eterna. Depois ascendeu aos céus à vistas dos discípulos no monte das Oliveiras em Jerusalém.

Para tristeza e ódio do Sinédrio de Jerusalém e do Império Romano, maior conglomerado político de povos na época, Jesus Cristo deixou discípulos. E os orientou. “Ide e pregai o evangelho a toda a criatura”. Mas o ato de pregar o evangelho logo depois do Pretório Romano ter condenado Cristo, não seria uma tarefa fácil. Falar de Jesus na época era crime, além de heresia a Deus.

UMA FERA SELVAGEM

Com muita fome de fazer justiça ao que acreditava, Saulo surge neste momento para defender a fé Abraâmica, como uma fera selvagem. Segundo ele, e seus líderes fariseus, Jesus não era um Messias, não ressuscitado e muito menos devia ser seguido pelo seu povo. Com ajuda de outros sacerdotes à perseguição á igreja primitiva de Jesus na Terra iniciou-se.

Saulo se levantou junto ao Sinédrio afim exterminar aqueles que criam no nome de Jesus. Ele se tornou um homem perverso, truculento, e feroz. Começou então uma grande caça aos discípulos. Principalmente Pedro líder cristão. Cavalos e soldados de Roma o ajudaram a entrar nas sinagogas expulsar os “crentes” em Jesus e os matar. Um blasfemo, que assolava a igreja e dedicou-se até que exterminou milhares. Ele entendeu que deveria fazer tudo para perseguir ser fiel a lei de Moisés. Era um fariseu.  Jesus e passou a lançar os crentes em prisões, batia neles dentro e fora da sinagoga, além de forçá-los a negar a fé cristã.

CAMINHO À DAMASCO

Certo dia após definir com líderes do sinédrio de Jerusalém, Saulo resolve ir até Damasco, a fim de ir em todas as sinagogas da cidade e prender os cristãos que lá existiam. No entanto no meio do caminho, acontece algo inexplicável, sobrenatural e que mudaria o rumo de sua vida e de toda a Igreja de Jesus Cristo na Terra completamente.

O próprio Jesus Cristo, que ele acreditava estar morto, aparece para ele e disse:

Saulo, Saulo, por que me persegues?

E ele disse: Quem és Senhor?

E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões. E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça? E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e entra na cidade, e lá te será dito o que te convém fazer.

O touro indomável, a fera selvagem, o maior perseguidor da igreja primitiva estava neste momento cego! Sim, Saulo ficou cego, após ele ver a Glória de Deus sobre ele e não enxergou mais nada. O jeito era seguir até Damasco e fazer o que o novo mestre de sua vida lhe falaria. Nessa altura do campeonato Saulo estava convertido à fé cristã. Em Damasco, ele encontrou o cristão que  iria o prender, mas que já havia sido (por sonho) avisado por Jesus, que Saulo apareceria cego em Damasco. O nome dele era Ananias e assim que se encontram Ananias orou por Saulo e ele ficou curado. Na mesma noite, ele foi batizado nas águas aceitou Jesus como Senhor e Salvador. Saulo deu até seu testemunho na sinagoga de Damasco.

É importante lembrar que Saulo, mudou seu nome para Paulo, pois como sua cidadania era romana e esse nome lhe remeteria ao novo homem que ali iniciaria um grande chamado para o cristianismo na terra. Com muita vontade de fazer a vontade de Deus, Saulo desistiu das perseguições mudou completamente o rumo de sua vida. Até por intermédio de Barnabé (homem que o batizou) procurou Pedro. A princípio os apóstolos não queriam o reconhecer como convertido, foi difícil mas eles acreditaram. Paulo passou 3 anos da sua vida em Tarso, a pedido dos apóstolos. Só então retornou a Jerusalém e ali iniciaria um chamado para revolucionar a igreja na Terra.

Falando em revolução, um pouco antes da Segunda Guerra Mundial uma nova etapa iniciou-se para o cristianismo mundial, já no século 20, e é sobre isso que iremos falar no fim na série, no entanto é extremamente importante que vocês entendam o histórico da igreja de Jesus Cristo na Terra.

MISSÕES

Após Paulo mudar drasticamente suas atitudes, de perseguidor e se tornar um precursor da fé de Jesus entre os povos levando a palavra, e cumprindo o chamado que Jesus o confirmou em Damasco através dos milagres e revelações. Passou então a viajar regiões específicas do mundo antigo, sob aval de Pedro, como descrevo abaixo:

Nos Atos, relatam-se três viagens de Paulo: a primeira, liderada primeiro por Barnabé, levou Paulo de Antioquia até Chipre, passando depois pela Ásia Menor (Anatólia) e de volta a Antioquia. Em Chipre, Paulo refuta e cega Elimas, o mago, que estava criticando seus ensinamentos. Deste ponto em diante, Paulo é descrito como sendo o líder do grupo.

Paulo, Barnabé, Judas e Silas partiram então de Jerusalém levando os decretos dos apóstolos aos fiéis em Antioquia e nas províncias romanas da Síria e Cilicia. Chegando a Antioquia, eles cumprem a missão que lhes foi dada, sendo que Judas retorna para Jerusalém e desaparece da história. Relato alguns pontos que foram influenciados por Paulo bem como pelos discípulos de Jesus:

1. Gaza – Cidade onde Filipe pregou a respeito de Cristo e batizou um eunuco etíope em seu caminho para Gaza (Atos 8:26–39).

2. Jerusalém – A cidade onde morou e perseguiu os cristãos.

3. Jope – Onde Pedro recebeu a visão de que Deus concede o dom do arrependimento aos gentios (Atos 10; 11:5–18). Nesta ocasião: Pedro levanta Tabita dos mortos (Atos 9:36–42).

4. Samaria: Filipe ministrou em Samaria (Atos 8:5–13), e Pedro e João posteriormente ensinaram aqui (Atos 8:14–25). Depois de terem concedido o dom do Espírito Santo, Simão, o mágico, tentou comprar esse dom deles (Atos 8:9–24).

5. Cesárea – Neste local, depois que um anjo ministrou a um centurião chamado Cornélius, Pedro permitiu o mesmo que fosse batizado (Atos 10). Aqui Paulo defendeu-se perante Agripa (Atos 25–26; ver também JS—H 1:24–25).

6. Damasco – Jesus apareceu a Saulo (Atos 9:1–7). Depois que Ananias restaurou a visão de Saulo, este foi batizado e iniciou seu ministério (Atos 9:10–27).

7. Antioquia – (na Síria) Local onde os discípulos foram chamados de cristãos pela primeira vez (Atos 11:26). Ágabo profetizou fome (Atos 11:27–28). Grande desavença surgiu na Antioquia no que dizia respeito à circuncisão (Atos 14:26–28; 15:1–9). Na Antioquia Paulo iniciou sua segunda viagem missionária com Silas, Barnabé, e Jucas Barsabás (Atos 15:22, 30, 35).

8. Tarso – Cidade onde Paulo nasceu; Paulo foi enviado para cá pelos líderes da Igreja para proteger sua vida (Atos 9:29–30).

9. Chipre – Depois de terem sido perseguidos, alguns santos fugiram para essa ilha (Atos 11:19). Paulo viajou por Chipre em sua primeira viagem missionária (Atos 13:4–5), como fizeram Barnabé e Marcos posteriormente (Atos 15:39).

10. Pafos – Paulo amaldiçoou um mágico nesse local (Atos 13:6–11).

11. Derbe – Paulo e Barnabé pregaram o evangelho nessa cidade (Atos 14:6–7, 20–21).

12. Listra – Quando Paulo curou o paralítico, ele e Barnabé foram recebidos como deuses. Paulo foi apedrejado nessa cidade e dado como morto, mas reviveu e continuou a pregar (Atos 14:6–21). Lar de Timóteo (Atos 16:1–3).

13. Icônio – Em sua primeira missão, Paulo e Barnabé pregaram aqui e foram ameaçados de serem apedrejados (Atos 13:51–14:7).

14. Laodicéia e Colossos: Laodicéia é um dos ramos da Igreja que Paulo visitou e do qual recebeu cartas (Col. 4:16). É também uma das sete cidades relacionadas no livro de Apocalipse (as outras são Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia; ver Apoc. 1:11). Colossos está a 18 quilômetros a leste de Laodicéia. Paulo escreveu aos santos que viviam aqui.

15. Antioquia (da Pisídia) Em sua primeira missão, Paulo e Barnabé ensinaram aos judeus que Cristo veio da semente de Davi. Paulo ofereceu o evangelho a Israel e depois aos gentios. Paulo e Barnabé foram perseguidos e expulsos (Atos 13:14–50).

16. Mileto – Enquanto estava aqui, em sua terceira missão, Paulo advertiu os élderes da Igreja de que “lobos cruéis” entrariam no rebanho (Atos 20:29–31).

17. Patmos – Cidade onde mesmo depois da morte de Paulo, João se tornou um prisioneiro e nessa ilha  recebeu as visões atualmente contidas no livro de Apocalipse (Apoc. 1:9).

18. Éfeso – Apolo pregou aqui com poder (Atos 18:24–28). Paulo, em sua terceira missão, ensinou em Éfeso durante dois anos, convertendo muitas pessoas (Atos 19:10, 18). Aqui ele conferiu o dom do Espírito Santo pela imposição das mãos (Atos 19:1–7) e realizou muitos milagres, inclusive expulsar espíritos malignos (Atos 19:8–21). Aqui os adoradores de Diana levantaram um alvoroço contra Paulo (Atos 19:22–41). Parte do livro de Apocalipse foi dirigido à Igreja em Éfeso (Apoc. 1:11).

19. Trôade – Enquanto Paulo estava aqui, em sua segunda viagem missionária, teve uma visão de um homem na Macedônia, pedindo ajuda (Atos 16:9–12). Enquanto estava aqui, em sua terceira missão, Paulo levantou Êutico dos mortos (Atos 20:6–12).

20. Filipos – Paulo, Silas e Timóteo converteram uma mulher chamada Lídia , expulsaram um espírito maligno e foram açoitados (Atos 16:11–23). Eles receberam ajuda divina para escapar da prisão (Atos 16:23–26).

21. Atenas – Paulo, enquanto em sua segunda missão para Atenas, pregou na Colina de Ares (Areópago) sobre “o deus desconhecido” (Atos 17:22–34).

22. Corinto – Paulo foi para Corinto em sua segunda missão, e lá ficou com Áqüila e Priscila. Aqui ele pregou e batizou muitas pessoas (Atos 18:1–18). De Corinto, Paulo escreveu sua epístola aos romanos.

23. Tessalônica – Paulo pregou aqui durante sua segunda viagem missionária. Seu grupo missionário partiu para Beréia, depois que os judeus ameaçaram sua segurança (Atos 17:1–10).

24. Beréia – Paulo, Silas e Timóteo encontraram almas nobres para ensinar durante a segunda viagem missionária de Paulo. Os judeus de Tessalônica os seguiram e perseguiram (Atos 17:10–13).

25. Macedônia – Paulo ensinou aqui durante suas segunda e terceira viagens (Atos 16:9–40; 19:21). Paulo elogiou a generosidade dos santos macedônios, que fizeram uma coleta para ele e para os santos pobres de Jerusalém (Rom. 15:26; II Cor. 8:1–5; 11:9).

26. Malta – O navio de Paulo naufragou nessa ilha a caminho de Roma (Atos 26:32; 27:1, 41–44). A mordida de uma serpente não lhe causou dano e ele curou muitos que estavam doentes em Malta (Atos 28:1–9).

27. Roma 

Pois bem, após as viagens e diversas perseguições à Paulo, irmãos cristãos receberam as cartas que Paulo destinou as comunidades cristãs onde ele mesmo reportou recomendações e orientações para uma vida aos pés de Jesus, lá foram fundadas igrejas e hoje são cidades instituídas. As Igrejas de hoje são fundamentadas nos escritos de Paulo.

As cartas escritas pelo grande líder Paulo, são destinadas aos cristãos de Roma, na Itália (Romanos), de Corinto na Grécia (I Coríntios), da Galácia atual Ancara, a capital da Turquia (Gálatas), de Éfeso atual Selçuk, província da Esmirna na Túrquia (Efésios), de Philip na Grécia (Filipenses), de Honaz na Turquia (Colossenses) e de Salônica – Grécia (I Tessalonicenses, II Tessalonicenses).

Paulo também escreveu à pessoas específicas como Timóteo seu filho na fé que morreu por volta do ano 80 d.C (I Timóteo, II Timóteo), seu amigo Tito que faleceu em 107d.C. próximo à Agios Nikolaos na ilha de Creta da Grécia, à Filémon que era um cristão associado com a igreja ou congregação em Colossos e por fim Paulo escreveu aos Hebreus povos palestinos que nunca formaram uma nação unida, ficaram por longo tempo como doze tribos mais ou menos autônomas, organizadas e governadas parcialmente, principalmente nas cidades de Canaã (atual Palestina), Jerusalém (capital do Reino de Judá), Samaria (hoje na região de Beit El).

Mas logo após essa incrível jornada de Paulo, os atos do Espírito Santo iniciavam uma verdadeira expansão desta fé firmada por esse grande homem. Todas as Igrejas de fé cristã, que tiveram origem no primeiro século, em Ato dos Apóstolos, se basearam em princípios do próprio Jesus, abençoados e orientados claro, por Paulo um dos homens a qual a própria Bíblia Sagrada, nos prova que Jesus o escolheu para ser o principal missionário e plantador de igrejas da história da humanidade.

O problema é que algumas igrejas, ao longo dos anos, deram valores à princípios mais fervorosos e firmes na palavra da verdade e outras à tradições moldadas pelos homens e até pela frieza de um tradicionalismo político que não tem nada a ver com a militante, amável e aguerrida igreja primitiva dos apóstolos que o próprio Jesus Cristo instituiu. Os Apóstolos receberam o “fogo do Espirito Santo” na judéia, através dele fizeram milagres maravilhas e prodígios e no primeiro século, com o poder desse Espírito levaram a fé de Jesus que se espalhou pelo mundo todo.

De acordo com o Novo Testamento, a crucificação de Jesus foi autorizada por autoridades romanas e executada por soldados romanos. Há também o registro de que Paulo, em suas viagens missionárias, foi preso por autoridades romanas. O texto do Novo Testamento não relata o que aconteceu com Paulo, mas a acredita-se que Paulo deve ter sido  decapitado em Roma, sob o Imperador Nero no ano de 54. Todos os apóstolos foram jogados em prisões ou torturados, exceto João que morreu de velhice, após receber a visão do Apocalipse na ilha de Patmos.

Mas riqueza e a glória dada aos homens, não se casavam com a verdadeira fé e com a vontade de Deus, que se estabelecia e se alastrava pelo mundo oriental, com morte dos líderes da igreja”. Por isso, homens poderosos começaram à perseguir e realizar verdadeiros espetáculos de terror em Roma, com os cristãos que vieram a partir desta geração de líderes. Como o próprio Jesus foi morto. Veremos no próximo capítulo, mais detalhes deste período negro da Igreja que durou muito tempo, até que o grande imperador Constantino de Roma surgiu e tornou o cristianismo livre novamente. A quem diga que isso foi pior para a igreja.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s